segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Educação a distância multiplica vagas
A Universidade Aberta do Brasil (UAB) deve contar com 600 mil alunos em 2012, um número seis vezes maior que o previsto para o início de 2009. Esta é a expectativa do ministro da Educação, Fernando Haddad. Ele participou nesta terça-feira, 16, em Brasília, da abertura do encontro de coordenadores das instituições integrantes do Sistema UAB.
“Hoje, a UAB tem mais de 500 pólos em todo o país e serão 100 mil alunos matriculados no início de 2009”, comemorou o ministro. Na visão dele, a educação a distancia, em construção no Brasil, é uma nova fronteira na educação superior e precisa de paradigmas sólidos para não comprometer a ampliação do acesso ao ensino superior. “Se zelarmos pela educação a distância, será possível criar um paradigma de qualidade nessa modalidade, respeitada em todo o mundo”, afirmou.
Para o ministro, assim como a educação superior pública presencial é modelo para todo o sistema universitário, o Estado precisa se responsabilizar pela criação de um referencial em relação à modalidade a distância. “É dever do estado oferecer acesso e também criar marcos referenciais de qualidade”, disse.
Criada em 2006, a UAB amplia a oferta de cursos superiores em instituições públicas, por meio da educação a distância. A prioridade é formar novos professores para atuar na educação básica e oferecer formação continuada àqueles já em exercício. “É difícil pensar a formação continuada para 2 milhões de professores sem o modelo da tecnologia da educação num país com as dimensões do Brasil”, afirmou o ministro, referindo-se aos professores da educação básica que precisam receber formação.
Nos 562 pólos espalhados pelo interior do Brasil, há laboratórios de informática, biblioteca e acompanhamento de tutores para as atividades presenciais. “O pólo é a casa do professor (em formação), onde ele tem uma interlocução com os tutores e professores”, enfatizou Haddad. “Esses alunos estavam distantes da possibilidade de formação e vêem a UAB como nova perspectiva profissional”, completou.
Para Haddad, a modalidade a distância ajuda a ampliar e democratizar o acesso à educação superior em conjunto com outras ações e programas do Ministério da Educação em curso, como o Programa Universidade Para Todos (Prouni) e o Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (ReUni).
“Vamos cumprir a meta de alcançar a taxa de 30% de matrícula bruta na educação superior entre 18 e 24 anos”, disse, em referência à meta estabelecida no Plano Nacional de Educação (PNE), que entrou em vigor em 2000, com duração de dez anos. “Num próximo PNE, poderemos fixar a meta de atender 50% da juventude”, previu.
Maria Clara Machado

 
PUAP - Av. Senhora Santana, 17 - Centro - Luís Gomes - RN - CEP: 59.940-000